Facebook Instagram Flickr Twitter

Ideologia de Gênero

O que significa o conceito “gênero” e a ideologia que está por detrás dele

Em 2013, foi proposto a introdução da palavra “gênero” no Plano Nacional de Educação (PLC 103/2012), mas que não foi aprovada. O que poderia parecer somente um simples acréscimo terminológico, na verdade esconde uma perniciosa ideologia, chamada de “Ideologia de Gênero”.

O conceito “Ideologia de Gênero” foi criado por sociólogos reunidos em uma conferência da ONU na cidade de Pequim, em 1995. Apesar de ser uma invenção dos últimos 20 anos, essa ideologia solidificou-se na cultura global de tal maneira que afeta a compreensão da família, repercute na esfera política e legislativa, no ensino, na comunicação social e na própria linguagem corrente.

Segundo esta ideologia, os papéis entre homens e mulheres, dentro do contexto do matrimônio e da família, devem ser substituídos por relações sexuais física e psicologicamente versáteis e que não obedecem uma ordem da natureza e dignidade que lhes é própria. Segundo essa teoria ideológica os dois sexos – masculino e feminino – são considerados construções culturais e sociais, de modo que, embora existindo um sexo biológico, cada pessoa tem o direito de escolher o seu sexo social (gênero). Seus adeptos querem ensinar às crianças que elas, socialmente falando, não são homens ou mulheres, mas podem escolher qualquer opção sexual que quiserem. Para os seus defensores, quando a criança nasce ela não deve ser considerada do sexo masculino ou feminino, mas somente uma pessoa do gênero humano, que depois fará a escolha do seu próprio sexo. 

Ao mesmo tempo, a Ideologia de Gênero ensina que a família, sempre considerada pela humanidade de todos os tempos como lugar autêntico onde se transmite as formas fundamentais de ser pessoa humana, passa a não ter um formato pré-estabelecido pela natureza, pois a construção do gênero despreza as diferenças dos sexos e as bases, tanto biológicas quanto psicológicas, da complementariedade entre o homem e a mulher. Assim sendo, a criança e o adolescente perdem os referenciais éticos e antropológicos da construção da própria identidade e passam, arbitrariamente, a construir-se e definir-se como lhe agrade, refletindo um subjetivismo relativista levado ao extremo e negando o significado da realidade objetiva.

A igualdade entre homem e mulher é um dos maiores direitos da pessoa humana. Na Ideologia de Gênero, porém, não se trata de igualdade de diretos, mas do próprio nivelamento de qualquer diferença, inclusive a diferença biológica entre homem e mulher. Infelizmente, a maioria das pessoas, os pais principalmente, desconhecem o que significa o conceito “gênero”, a ideologia que está por detrás dele e as consequências que podem produzir na educação das crianças e dos adolescentes – confusão nas crianças, uso comum dos banheiros, promiscuidade, gravidez na adolescência, perda da autoridade paterna sobre a educação sexual dos filhos, impedimento do ensino da moral cristã mesmo nas escolas confessionais, etc.

Um olhar crítico seria suficiente para verificar a não plausibilidade de tal ideologia, como prova o norueguês Harald Eia, formado em Ciências Sociais, em uma série de programa televisivos por ele dirigida chamada “Brainwash” (Lavagem cerebral), onde demonstra a inconsistência e não razoabilidade da Ideologia de Gênero (se poderia conferir a reportagem: http://br.avoiceformen.com/noticias/como-harald-eia-abalou-a-ideologia-de-genero/ e ainda os vídeos da série: https://www.youtube.com/watch?v=G0J9KZVB9FM). 

Ações na Arquiocese de Goiânia

Ncamaratarde do dia 9 de junho, no auditório da Cúria Metropolitana, o Bispo auxiliar e responsável pelo Vicariato da Comunicação da Arquidiocese de Goiânia, Dom Levi Bonatto, esteve reunido com vereadores da Câmara Municipal, a fim de estabelecer um diálogo e suscitar reflexão a respeito da Ideologia de Gênero proposta para fazer parte do Plano de Educação Municipal. Todos os municípios do País estão elaborando seus Planos de Educação, que deverão ser aprovados até o dia 24 de junho de 2015 e terão validade de 10 anos, o que significa que toda uma geração será educada segundo o modelo ético antropológico por ele estabelecido.

Após acolhida de Dom Levi que salientou o intuito da Igreja em exercer sua missão de valorizar a família, defesa e  promoção  da dignidade humana e da vida em todas as suas instâncias. “A Igreja Católica, na pessoa dos bispos não pode se omitir quando percebe que um assunto tão importante para educação e principalmente para formação das crianças e jovens não está sendo sendo discutido como deveria estar; com paz, serenidade e principalmente com tempo. A igreja não tem nenhum partido político, nosso intuito e preservar a família e a juventude. Neste encontro incentivamos que o diálogo aconteça para que as pessoas reflitam e principalmente entendam o que propõe o projeto e a ideologia de gênero. O padre Luiz Henrique Brandão, doutor em teologia moral fez explanação a respeito do significado dessa ideologia  fazendo breve apanhado histórico, elucidações e estudos já realizados acerca do assunto.

Fonte: Arquidiocese de Goiânia



 

Rua Cardeal, esq. c/ Al. Rouxinóis s/n , Qd 43, Lt 05, Parque das Laranjeiras, Goiânia-GO - CEP 74855-220
Segunda-feira das 14h às 18h. Terça-feira a sexta-feira das 08h às 11:30 e das 14h às 18h. Sábado das 08 às 11:30
62 3249-1933 | 9671-7491 (vivo) | 9105-2028 (claro) | 8405-2927 (oi) | 8227-6917 (tim)